Ciência e Tecnologia

Investigadora do Técnico conquista prémio Científico IBM 2018

O trabalho da investigadora do Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear e com o qual conquistou este galardão debruça-se sobre o estudo do que acontece quando lasers com intensidades extremas interagem com a matéria.

O Prémio Científico IBM distinguiu mais uma vez um trabalho de investigação do Técnico. Na edição de 2018 deste galardão a contemplada foi Marija Vranic, investigadora de pós-doutoramento do Grupo de Lasers e Plasmas do Instituto de Plasmas e Fusão Nuclear do Instituto Superior Técnico. Este não é o primeiro prémio que reconhece o valor científico da tese de Marija Vranic, intitulada “Extreme laser-matter interactions: multi-scale PIC modeling from the classical to QED-dominated regimes”, uma vez que há sensivelmente um ano a mesma havia sido distinguida com o galardão internacional “John Dawson Thesis Prize”.  Ainda assim, e mesmo consciente do valor do seu trabalho, a investigadora do Técnico partiu para esta candidatura “sem expectativas prévias”, consciente da “elevada qualidade dos trabalhos com que competia”. Depois de algum tempo de suspense, foi com toda a surpresa e felicidade que recebeu a notícia: “quando recebi a chamada do júri a dizer que tinha sido selecionado o meu trabalho foi uma grande surpresa, até fiquei sem palavras”, partilha Marija Vranic.

Na sua tese de doutoramento, Marija Vranic usou os computadores mais potentes no mundo para estudar o que acontece quando lasers com intensidades extremas interagem com a matéria. Com lasers muito intensos, qualquer matéria fica ionizada e torna-se um plasma que sofre acelerações tão extremas que os efeitos da eletrodinâmica quântica passam a ser importantes para a dinâmica do sistema. A investigadora acabou por descobrir os algoritmos que tornam estas simulações possíveis quer no caso clássico quer no caso quântico, abrindo o caminho para otimizar estes cenários extremos para a aceleração de eletrões ou a emissão de raios-x e raios gama.

A avaliação feita pelo júri do prémio IBM é “baseada num resumo da tese, escrito sob um pseudónimo, portanto a identidade e o percurso do candidato são completamente desconhecidos”, narra a investigadora do Grupo de Lasers e Plasmas. A acumular a isto, e a tornar esta vitória mais meritória, está o facto de os membros do júri poderem ser de áreas científicas diferentes. “O grande desafio é transmitir a importância de todo o trabalho feito durante vários anos de doutoramento num documento com menos de 30 páginas, sem perder o essencial”, assinala Marija Vranic. A avaliar pelos resultados, Marija Vranic foi muito bem-sucedida nesta missão.

Tentamos perceber os truques que a galardoada usou para se distinguir da concorrência, e a investigadora acaba por destapar um bocadinho o véu do sucesso: “tentei falar não só de resultados científicos, mas também destaquei como as ideias apresentadas podem vir a ser aplicadas no futuro, na ciência e na sociedade”. “Achei que o mais importante era transmitir a visão, e tentei usar linguagem simples para explicar a parte técnica”, refere posteriormente.

Natural de Belgrado, a investigadora sempre quis estudar física, e sabia que um dia, “mais cedo ou mais tarde”, haveria de ser o caminho da investigação em física computacional que a sua carreira seguiria, afinal é no meio dos supercomputadores que se sente realizada profissionalmente, uma vez que lhe permite conciliar vários dos seus gostos: a programação, a física e a matemática. Foi durante um estágio profissional IAESTE na Irlanda do Norte que tomou contacto com a área científica dos lasers e plasmas pela primeira vez. “Fiquei muito entusiasmada com o potencial de aplicação de técnicas desenvolvidas no âmbito da interação de lasers intensos com plasma”, partilha. Quando chegou a altura de procurar um local para fazer o doutoramento, teve “a excelente notícia de que existia em Lisboa um grupo científico de alta qualidade que fazia exatamente o tipo de investigação ao qual eu me queria juntar”, relembra a investigadora do Técnico. Um grupo que, aliás, não esquece no momento de apontar o segredo do sucesso: “o ambiente do grupo é extremamente importante para uma tese de doutoramento bem-sucedida”, frisa.

Sobre o impacto deste prémio na sua carreira, Marija Vranic relembra que “os vencedores anteriores são pessoas bem-sucedidas, e muitos acham que o Prémio Cientifico IBM contribuiu significativamente para a sua carreira”. “Eu gosto do que faço, e o Prémio é uma indicação de que estou no caminho certo”, refere.

O Prémio, e o valor monetário de 15 mil euros que lhe está associado, será entregue à investigadora do Técnico numa sessão solene cuja data ainda está por revelar.