Sobre o Curso

O Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial é uma síntese de tecnologias avançadas, com uma importância crescente no século XXI, concretizadas em vários tipos de veículos, como aeroplanos, helicópteros, aeronaves robotizadas, foguetões e satélites e nos meios de apoio associados como a gestão do tráfego aéreo e outros aspetos operacionais. Todos estes veículos integram de formas diversas, através da dinâmica de voo atmosférico, orbital e interplanetário, um vasto leque de tecnologias modernas, que incluem a aerodinâmica, a propulsão, as estruturas, os materiais, os processos de fabrico, o controlo, a computação, a electrónica, as telecomunicações, a inteligência artificial, os sistemas elétricos, hidráulicos, pneumáticos e outros.

O Técnico é a única Escola europeia a pôr igual ênfase nos aspetos mecânicos tradicionais e elétricos de importância mais recente, e é também o único caso de curso interdepartamental, incluindo disciplinas lecionadas por todas as áreas científicas dos Departamentos de Engenharia Eletrotécnica e de Computadores e de Engenharia Mecânica, além da formação de base dos três primeiros anos em Matemática, Física, Química, Materiais e Informática. A Engenharia Aeroespacial é, pois, extremamente interdisciplinar, fornecendo um espectro largo de competências com uma vasta gama de procura no mercado de emprego.

Plano Curricular

Mestrado Integrado em Engenharia Aeroespacial está dividido em 1º Ciclo e 2º Ciclo.

Duração normal do curso:

  • Licenciatura – 6 semestres
  • Mestrado – 4 semestres

Número de créditos para a obtenção do grau:

  • 180 ECTS – Licenciado (em Ciências de Engenharia Aeroespacial)
  • 120 ECTS – Mestre (em Engenharia Aeroespacial)

Tronco comum:

  • 168 ECTS

Ramos alternativos:

  • Aeronaves;
  • Aviónica;
  • Espaço

Perfis/Minor: dois por ramo (total de 6)
Áreas de especialização: 13 disciplinas de opção

Coerência científica com os mestrados:

  • MMA;
  • MBioNano.

Saídas Profissionais

O Engenheiro Aeroespacial é o profissional responsável por projetar, analisar, construir e testar sistemas aeroespaciais, tais como foguetes, satélites e aeronaves. Atualmente, existem Engenheiros com esta especialidade trabalhar nas maiores empresas e instituições aeronáuticas nacionais (OGMA/Embraer, TAP, FAP, NAV, INAC, CEiiA, entre outras) e europeias (Airbus, Aerospatiale, British Aerospace, Daimler-Chrysler, Rolls-Royce, Snecma, Astrium, Cern, Esa, Eurocontrol, entre outras).

O curso permite ainda a possibilidade de trabalhar em áreas diferentes como:

  • Investigação científica e desenvolvimento (I&D);
  • Controlo de qualidade;
  • Consultoria, liderança, chefia, gestão;
  • Formação profissional e ensino;
  • Comercialização de produtos, equipamentos e processos.

Vagas e Notas Mínimas de Seriação

Ano Vagas Nota Mínima de Seriação
2016/2017 85 185,3
2017/2018 85 188,0
2018/2019 80 186,5
2019/2020 92 189,5

Empregadores