Campus e Comunidade

“O Técnico é uma escola de conquistadores”

Ana Cláudia Sá, alumna do Técnico, e atual diretora da Bel Portugal

Ser investigadora e obviamente ganhar o prémio Nobel, foi com estes sonhos que  Ana Cláudia Sà chegou ao Técnico. Não sabe muito bem porque escolheu Engenharia Química, uma vez que também gostava de física,  biologia e de matemática. Sabe, porém, que foi a paixão com que o pai, alumnus do Técnico, lhe falava desta escola que trouxe até cá. “Tornou-se irresistível não vir”, conta.

Quando chegou, em 1987, não se importou com  os boatos que lhe chegavam sobre os muitos rapazes  que dominavam a escola e o bigode que caraterizava as poucas raparigas que havia. “ O ambiente somos nós que o fazemos, se não for muito bom, tratamos de o tornar”, reitera a atual diretora da Bel Portugal. Acabou por encontrar um ambiente “ espetacular”, recorda com um tom que lhe desvenda a nostalgia. Perguntar sobre as boas recordações que amealhou nesta  escola é,aliás,  dar azo a uma longa e detalhada enumeração de bons momentos. “Tenho saudades das brincadeiras, de jogar às cartas na Associação dos Estudantes. Na altura tinhamos que dormir cá durante a noite das inscrições e lembro-me perfeitamente que foi inesquecível”, recorda a alumna

Na lista dos dias mais marcantes destaca-se o Dia da Graduação, de onde recorda o sentimento de “ conquista e realização”. Além das memórias,  guarda os amigos que partilharam consigo esses momentos: “Fiz amigos para a vida.  Levei desta escola os meus compadres, padrinhos dos meus filhos, amigos para sempre. São sem dúvida os melhores anos da nossa vida”, partilha.
Depois do Técnico seguiram-se várias aventuras, trabalhou em investigação e acabou por descobrir que não era isso que queria fazer: “cheguei à conclusão que não era para o meu perfil, porque eu preciso de concretizar coisas e de vê-las acontecer, e na investigação isso não era tão imediato como eu queria”, explica. Em 1992, entrou na Procter & Gamble, uma empresa que se revelou “ uma escola de gestão”. “ Foi lá que aprendi como gerir equipas, a saber trabalhar com pessoas com diferentes caraterísticas, etc.”, salienta Ana Claudia Sá. A partir daí a gestão não mais a largou.

Seguiu-se a Unilever e depois a BEL, empresa que atualmente lidera.  Foi adquirindo outras formações ao longo do percurso, mas considera que a “ engenharia é o coração de tudo porque nos dá uma capacidade de racíocinio incrível, de trabalho em profundidade e em quantidade”, frisa.

Assume-se como uma profissional realizada, que gosta de desafios, orientada pelo“ gozo de fazer a diferença”. O Técnico deu-lhe uma bagagem que a faz sentir capaz de fazer quase tudo o que quiser. “Depois do Técnico, o resto é canja”, solta Ana Cláudia Sá . “ Os problemas mais complexos, para nós são simples”, acrescenta a alumna. Por isto e por muito mais, “incentiva qualquer jovem a vir para o Técnico, porque é uma escola espetacular, de capacidade de raciocínio, de capacidades técnicas onde aprendemos muito, que nos ensina a sobreviver em qualquer tipo de ambiente”, declara a diretora da BEL Portugal. “ O Técnico é uma escola de conquistadores”,foi lembrando ao longo da entrevista porque é essa ideia que faz questão que os atuais alunos não esqueçam.