Campus e Comunidade

Convite à participação da comunidade do Técnico no inquérito Gender Scan

Através destes questionários será possível avaliar a perceção de alunos e funcionários em relação às políticas implementadas em matéria de igualdade de género e ao impacto das mesmas no dia a dia da escola.

A igualdade de género é um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável fixados pela Organização das Nações Unidas (ONU). No cumprimento desse objetivo, o Instituto Superior Técnico desenvolve hoje um conjunto de programas e iniciativas envolvendo toda a Escola, de forma a promover a inclusão em geral, e a cultura da igualdade de género em particular.

Este ano, em consonância com estas iniciativas e na persecução deste objetivo, o Técnico, através do seu Grupo de Trabalho para a Diversidade e Igualdade de Género (GenderBalance@Técnico), associa-se ao inquérito global Gender Scan (TM), um estudo internacional de referência- realizado em parceria com a UNESCO e associações internacionais – sobre a igualdade de género na Ciência e Tecnologia. Em 2019, o estudo foi realizado em 130 países, contando com 15 000 inquiridos de ambos os sexos, com mais de 18 anos.

“O Técnico em geral e o seu Grupo de Igualdade e Diversidade de Género em particular, têm desenhado e executado diversas atividades na promoção das políticas que visam mitigar alguns desequilíbrios no recrutamento, gestão do trabalho, promoção e acesso a oportunidades que advêm de estereótipos de género”, realça o professor Alexandre Bernardino, co-coordenador do Gender Balance@Técnico.  Com a associação a este inquérito pretende-se “saber se a comunidade Técnico tem conhecimento destas medidas e ganho perceção do seu impacto no dia a dia da escola”, destaca o docente.

O convite de participação no inquérito é lançado a toda a comunidade: alunos, investigadores, docentes e trabalhadores técnicos e administrativos. Os questionários foram elaborados tendo por base as recomendações de especialistas e sociólogos das áreas analisadas. Despendendo pouco mais de 10 minutos, os inquiridos contribuirão para um retrato mais fiel daquela que é a opinião da comunidade do Técnico no que toca a estas questões. “Quanto maior for o número de participantes, mais significativos serão os resultados. Em geral, só com mais de 200 respostas por cada grupo de foco poderemos ter confiança nos resultados estatísticos, sendo esse, aliás o número mínimo de respostas que teremos que obter para conseguir cumprir os objetivos do inquérito”, denota o professor Alexandre Bernardino.

O professor Alexandre Bernardino explica que ao participar neste inquérito, o Técnico “terá acesso aos dados estatísticos- anonimizados- dos inquéritos efetuados à sua comunidade, organizados por dados demográficos e perfis dos participantes, e que serão divulgados à comunidade”.  “Isto permitirá avaliar o trabalho que tem sido feito e definir novas políticas para futuras medidas. Teremos também acesso aos dados globais médios para avaliar como nos comparamos com outras instituições semelhantes nos outros países”, salienta o co-coordenador do Gender Balance@Técnico.

Para participar neste estudo basta seguir um dos links:

Questionário para os estudantes

Questionário para funcionários (docentes, investigadores e trabalhadores técnicos e administrativos)