Ciência e Tecnologia

Professor Mário Silveirinha eleito ‘fellow’ de duas importantes sociedades científicas americanas

O docente do Departamento de Engenharia Eletrotécnica e de Computadores (DEEC) foi eleito Fellow da American Physical Society (APS) e da Optical Society of América (OSA).

Um protagonista e duas nomeações quase simultâneas para importantes sociedades científicas americanas. O feito extraordinário é do professor Mário Silveirinha, docente do Departamento de Engenharia Eletrotécnica e de Computadores (DEEC) e investigador do Instituto de Telecomunicações (IT). O currículo do docente do Técnico passa agora também a contar com o título de fellow da American Physical Society (APS) e da Optical Society of América(OSA).

As nomeações surgiram por “iniciativa de um colega, o professor Nader Engheta, da Universidade da Pennsylvania, que é uma grande referência no domínio do eletromagnetismo e ótica”, partilha o docente do Técnico. “Para mim essa é a maior honra e satisfação: sentir o meu trabalho reconhecido pelos colegas que são para mim fonte de inspiração e admiração”, sublinha o professor Mário Silveirinha.

A distinção atribuída pela APS é avaliada por um painel de peritos que seleciona anualmente os novos Fellows numa dada área.  O docente do Técnico passa assim a integrar a Division of Laser Science (DLS) da sociedade, pelas “contribuições pioneiras e inspiradoras à teoria dos metamateriais e plasmónicos, em particular para o desenvolvimento de conceitos de materiais de índice quase nulo, e de homogeneização não local dos metamateriais”, como pode ler-se na página da APS. O investigador do IT realça que estes trabalhos “têm suscitado muito interesse ao longo dos anos devido às suas potenciais aplicações em diversos domínios”.

O professor Mário Silveirinha junta-se assim a mais dois docentes do Técnico que também detêm este título da APS: os professores Luís Oliveira e Silva e José Luís Martins, ambos docentes do Departamento de Física(DF). O professor Mário Silveirinha acredita que “de certeza outras se seguirão no Técnico”.  “A ciência feita em Portugal sofreu uma grande aceleração na última década, tanto em qualidade como em quantidade, e esta distinção é apenas mais um exemplo disso”, declara ainda.

Todos os anos, tanto a OSA como a APS elegem pouco mais de 0,5% do total dos seus  membros para os seus programas de Fellowship.

Fundada em 1899, por 36 físicos unidos pelo objetivo de incentivar e difundir o conhecimento da Física, a APS é responsável, entre outras atividades, pela publicação das revistas Physical Review e Physical Review Letters, algumas das mais importantes da área. O programa de fellows é uma forma da instituição reconhecer aqueles que fizeram progressos na Física através da investigação que conduzem e publicam, ou de outras contribuições inovadoras na aplicação desta área à Ciência e Tecnologia.

Fundada em 1916, a OSA é a principal organização profissional na área da ótica e da fotónica. A organização serve atualmente 395.000 clientes e 23.000 membros de mais de 100 países. O reconhecimento como fellow segue um processo eleitoral altamente competitivo, sendo a distinção dos candidatos feita pelo contributo “no avanço da ótica e da fotónica e por fazerem contribuições distintas para a educação, investigação, engenharia, negócios e sociedade”.

O investigador do IT faz questão de sublinhar que “estas distinções apenas reforçam a minha determinação e motivação para o que trabalho seguinte, seja melhor que os anteriores”.

Para além destes reconhecimentos,  o professor Mário Silveirinha é, desde 2015, também fellow do  Institute of Electrical and Electronics Engineers (IEEE) desde 2015. Em 2019,  foi distinguido pelo Instituto de Engenharia e Tecnologia com o Prémio Internacional A.F. Harvey.